Reflexões de final de Bienal

Sábado (11 de agosto de 2018) foi meu último dia de Bienal. Questiono bastante a decisão da organização de deixar que o último dia caia justamente no domingo, dia dos pais. Mas… ei… é só um questionamento. Vamos ver o que os números dizem, no final. Isso é o que importa.

(Editado: No final das contas, o movimento no domingo foi muito baixo, mesmo!)

Mas o que tenho a dizer não é algo tão trivial quanto resultados de vendas ou coisas do tipo.
Eu percebi algo lá. Aliás, a Bienal tem sido um ponto de transição de vida pra mim. Não que a mude, mas tornou-se um ponto de referência. E não só a de São Paulo.
Não vou aqui listar todas as mudanças que ocorreram, nem como eu consigo usar as Bienais como referência, porque se tornaria um post ainda mais chato e eu teria que expor muita coisa da minha vida que simplesmente não quero…
Mas o que aconteceu ontem foi interessante.
Eu estava sentado no chão, perto do espaço para expositores, com a Catarina brincando em redor e sobre mim… E, em um determinado momento, refleti sobre algumas mudanças que estão acontecendo nos últimos dias.
Algumas decisões, também.
Espero, sinceramente, que eu possa vir aqui e em outros canais que mantenho cada vez menos, mas com mais novidades interessantes. Com mais projetos saindo do limbo.
A crise travou o mercado e as publicações, é verdade. Mas quando se diz que crise é igual a oportunidade, não é apenas um discurso demagogo. Pode ser bem real.
Esta Bienal, para mim, foi ainda mais fraca que a primeira, em 2010. Lá, eu tinha um livro, exposto em um estande razoavelmente grande da editora e todo o tempo do mundo para apresentá-lo. Faltava experiência. Mostro, com orgulho, a marca de 12 livros vendidos! Um fracasso. Mas um fracasso do qual me orgulho, porque superei, nos anos seguintes.
Mas hoje, 8 anos depois, tive a presença de espírito (da qual me orgulho, sem falsa modéstia) de encarar um outro tipo de fracasso. Calma, não é o que vocês pensam… Meus dois livros da Giz não estavam em lugar nenhum que eu saiba. A Giz não participou da Bienal. E não fiz questão de pedir para que procurássemos um lugar. Como Tatuagem estava no estande da Record. Haviam trazido poucos e esgotaram na sexta. Os livros de colorir, também. Certeza de que passei aquela marca dos 12 de 2010, mas não encarei esta Bienal como uma oportunidade de divulgar meu trabalho como nas outras vezes. Sinto-me, no entanto, num momento de recomeço. E tenho certeza de que é o mesmo que está acontecendo com a Giz. Ela sobreviveu e, agora, tem tudo para se recuperar.
E o legal disso tudo é que não é um recomeço do zero.
A Giz tem tradição e reconhecimento. Tem tudo para levantar, limpar a poeira e assumir seu devido lugar no mercado. O que depender de mim, ela terá.
Eu, como escritor, sei que conquistei meu lugar de respeito e tenho carinho de vários e várias leitoras e sei que de vários e várias colegas. Honestidade, empenho e profissionalismo valem à pena, sim!
E acredito não só no que faço, mas como faço.
Estou aqui. E aqui ficarei!
.
Foi mais ou menos isso que pensei, enquanto Catarina subia em meus ombros…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s