Minha vida no teatro 2

Dois perdidos numa noite suja.
Aquele Faroeste Caboclo que falei no outro post foi ensaiado na casa em que cresci na Vila Carrão. O que acontecia é que minha mãe tinha feito várias reclamações de poluição sonora contra as fábricas em volta. Uma delas, que ficava em frente e processava sisal, ofereceu um acordo. Eles pagariam aluguel para morarmos em algum lugar longe e deixaríamos a casa vazia, para servir como uma barreira para que a barulheira das fábricas não chegasse aos outros vizinhos e para que minha mãe parasse de acionar a Cetesb. Por isso, desde os 15 anos, morei no Tatuapé.
Eu usava a casa aos domingos, à tarde, para os ensaios do Naunb.
Depois de Faroeste, o grupo deu uma esfriada, até rolar a debandada geral. A maioria achou que já tinha feito tudo o que podia com a peça e o grupo. Sobramos praticamente eu e o Manoel. Enquanto reestruturávamos o grupo para montar uma comédia, resolvemos montar Dois perdidos numa noite suja, de Plinio Marcos. Eu já trabalha como um faz tudo numa editora, na época, e tinha feito a capa desse livro que está aí na foto.
A montagem foi bem legal. Eu fazia o Paco e Manoel, o Tonho. Montamos a peça num dos quartos da casa, onde fizemos duas apresentações, para uma dúzia de convidados.
Durante a semana seguinte à estréia, tive a brilhante ideia de ligar para o autor para convidá-lo para assistir.
Ele ficou puto.
Como assim, montar uma peça dele sem consultá-lo?!
Tentei argumentar que era uma montagem amadora, sem cobrança de ingresso. Ele não quis nem saber. Disse para pararmos imediatamente.
Também fiquei puto com a grosseria e cancelamos tudo.
Por algum tempo, guardei rancor por isso. Mas acabei entendendo o quanto eu é que estava errado. Não importa que era amador, aliás, até pior… peguei a obra do cara e apresentei sem pagar nada. Ele não escreveu a peça para isso. Escreveu para que as pessoas montassem, cobrassem ingresso e dessem a porcentagem que lhe era de direito. É assim que funciona uma obra que não está em dominio público. Foi um lição valiosa. E dêem-me algum crédito, tá? Eu tinha 21 anos (ou perto disso, já não lembro bem).

Capa do livro editado pela Maltese, editora em que eu trabalhava na época. Reunidas aqui, três peças de Plinio Marcos: Navalha na carne, abajur lilás e dois perdidos numa noite suja. Capa minha.
Este foi o programa, feito pelo Manoel. A intenção era que se parecesse com um zine bem artesanal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s